segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Por dentro.



             Sempre gostei de caveiras, não porque sou gótico ou tenho tesão pelo que é macabro, mas percebo que em quase todos os meus desenhos eu tento colocar uma delas (ou várias). Pensando no assunto percebi que é onde tudo acaba, onde todos somos iguais, todos por dentro são da mesma forma, não importa a casca.

             A caveira de um negro tem a mesma cor de um branco, o crânio de um homossexual é tão rígido e forte quanto a de um heterossexual, um gordo por dentro tem mesma estrutura óssea de um magro, não importa se você é rico, pobre, mentiroso, honesto. Não adianta querer ser maior, melhor, mais bonito, popular ou mais importante, por dentro, somos todos iguais.

Dex.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Imagem e Palavras


Um. A casa que alugamos não foi exorcizada, melhor trancar a porta.

Dois. Esqueci que portas trancadas não detêm fantasmas.

Três. Eu imagem, você palavras.



Poema por George Fernandes.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Estou aqui.


 Por mais que não esteja mais no seu dia-a-dia, saiba que sempre penso, olho e me preocupo, e saiba que sempre estarei aqui.

domingo, 26 de agosto de 2012

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Blues.


 Desenho feito no carnaval de 2012 em Recife/PE, mas só agora pude publicar, na hora me veio uma idéia de unir duas coisas que amo muito, desenho e tatuagem numa mesma arte.

Obrigado.



Obrigado por fazer meu coração bater novamente, por cuidar dele quando mais precisei, obrigado por me fazer ver a vida de outra forma e de sempre me mostrar flores onde eu achava que só existiam espinhos.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Dragonfly



            Nunca se desespere, quando você menos espera, algo de bom acontece.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Aqui dentro


Agora, chuva mansa, tempo indeciso.
Quando anoitecer, quem sabe, um pouco mais de certeza,
O clima lá fora finalmente harmonizado com o que sentimos
Aqui dentro.

Texto de
George Fernandes.

sábado, 2 de junho de 2012


Não procure rosas perfeitas, elas são assim exatamente por terem espinhos.

sábado, 26 de maio de 2012

Deixo ir.


 Deixar ir, não significa desistir,
 Mas sim aceitar que há coisas
 Que não podem ser.
    

         Pedro Quintella

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Seguindo

É triste saber que um dia vou ver você passar e não sentir cada milímetro do meu corpo arder e enjoar. 
É triste saber que um dia vou ouvir sua voz ou olhar seu rosto e o resto do mundo não vai desaparecer. 
O fim do amor é ainda mais triste do que o nosso fim. 

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Diário


Uma lua crescente desponta na imensidão azul.
Faz tempo que não vejo um céu tão bonito.
As pessoas a minha volta parecem não perceber nada.
Escuto uma canção lírica no meu player,
Então como tudo acaba ficando mais bonito ainda.
Acabo esquecendo delas também.


  Texto por George Fernandes

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Pra quê?

 Pra quê amar se no final o resultado é sempre esse?

terça-feira, 24 de abril de 2012

A Voz da espera



As Mensagens que não foram entregues.
Que podiam ter acalentado um coração triste.
Palavras que poderiam ter transformado uma lágrima em sorriso.
Que mesmo sendo palavras distantes, se fariam presentes como um abraço e trariam calor ao frio.
Como o sol em um dia cinzento e de chuva.
Mas as palavras não foram ditas, sentimentos  bons não foram postos pra fora e continuamos sendo quem somos...
Humanos.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Só.

É estranho vagar na bruma!
Cada sarça, cada pedra está só,
Nenhuma árvore vê a outra
Cada um estar só.

Cheio de amigos era para mim o mundo
Quando ainda clara era minha vida.
Agora a bruma cai
Mas nenhum é visível.

Na verdade ninguém é sábio
Desconhecendo a obscuridade
Inextricável e acolchoada
Que o separa de tudo.

É estranho vagar na bruma!
A vida é solidão,
Ninguém conhece seu próximo,
Cada um está só.

Hermann Hesse

domingo, 15 de abril de 2012

Dia do Desenhista 2




Mais desenhos antigos, nesses usei um pouco do estilo mangá.

Dia do Desenhista







Hoje 15 de abril é dia do desenhista, e como faço uns rabiscos desde que me conheço por gente, resolvi comemorar postando muitos desenhos meus antigos aqui, alguns estão bem feios, mas espero que gostem de alguns.

domingo, 25 de março de 2012

Clover

I was so lucky you came by and turned a different corner…

quarta-feira, 14 de março de 2012

Nostalgia parte 2.




Mais desenhos antigos, feitos no ano de 1990, vejam como nessa época eu ja gostava de rabiscar com canetas bic.

Nostalgia parte 1.





Antigamente, quando eu era um adolescente não tinha acesso a um moleskine, ou um caderno de desenho decente, entao sobrava pra agendas, que geralmente eu pegava da minha irmã quando ela nao usava mais, ou comprava uma bem baratinha (estudante liso), entao desenhava e rabiscava onde podia.

Recentemente achei uma dessas "agendas", cheias de desenhos e sentimentos escritos, sim eu tb escrevia as vezes, e o material que usava? O mais simples possível, canetas bic, canetinhas hidrográficas (hidrocor) e mais raramente uma tinta guache, aqui estao algumas artes, depois posto mais pra verem como eu desenhava no passado, so nao julguem muito, se ainda estou aprendendo imagina a 20 anos atrás.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Dream.

Sonhar não custa nada, e mantém a alma viva.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

koi Fish



“A carpa japonesa (koi) tem a capacidade natural de crescer de acordo com o tamanho do seu ambiente. Assim, num pequeno tanque, ela geralmente não passa de cinco ou sete centímetros – mas pode atingir três vezes este tamanho, se colocada num lago.

Da mesma maneira, as pessoas têm a tendência de crescer de acordo com o ambiente que as cerca. Só que, neste caso, não estamos falando de características físicas, mas de desenvolvimento emocional, espiritual e intelectual.

Enquanto a carpa é obrigada, para seu próprio bem, a aceitar os limites do seu mundo, nós estamos livres para estabelecer as fronteiras de nossos sonhos. Se somos um peixe maior do que o tanque em que fomos criados, ao invés de nos adaptarmos a ele, devíamos buscar o oceano – mesmo que a adaptação inicial seja desconfortável e dolorosa.”

Paulo Coelho

sábado, 14 de janeiro de 2012

Mahou Shoujo Madoka.

Minha versão da Madoka.
Madoka original, do anime.

Quem me conhece sabe que sou apaixonado pela Sakura Card Captors e com isso um interesse pelos animes de garotas mágicas, depois de muito fuçar a net, me deparei com Mahou Shoujo Madoka Magika, dae pensei: -Mais um anime de garotinhas fofinhas e coloridas, mas quando vi o primeiro ep, me enganei, mudou totalmente meu conceito de garotas mágicas, reviravoltas impressionantes e uma animação de tirar o folego, recomendo demais.